Brasil registra recorde de empresas abertas e alcança 20 milhões de negócios

O Brasil registrou no ano passado um recorde histórico na abertura de novas empresas e encerrou o ano com quase 20 milhões de negócios ativos.

O resultado foi apresentado na terça-feira, dia 2 de fevereiro, pelo Ministério da Economia no Mapa de Empresas.

Segundo dados do governo federal, o país criou 3,4 mil novas empresas no ano passado, o que representa um crescimento de 6% em relação a 2019.

Por outro lado, foram fechadas pouco mais de 1 milhão de empresas, queda de 11,3% quando comparado a 2019.

Com isso, o país teve um saldo positivo de 2,3 mil empresas abertas.

Para o secretário especial adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Gleisson Rubin, os números apresentados pelo governo espelham o resultado do trabalho feito para a melhoria do ambiente de negócios e estímulo à atividade empreendedora no Brasil.

“As ações de desburocratização e simplificação conseguiram reduzir o tempo médio para abertura de empresas para 2 dias e 13 horas, o que representa diminuição de 1 dia e 22 horas, quando comparado ao mesmo período de 2019”.

Entre as medidas adotadas pelo governo, o secretário especial destacou o registro de empresas com biometria facial, a ampliação das atividades dispensadas de alvará para funcionamento, a revisão completa das normas de registro, a possibilidade de coleta única para abertura de empresas e simplificação de procedimentos e a implementação do Balcão Único.

MEIs LIDERAM ABERTURAS

Entre as empresas abertas, o grande destaque foram os microempreendedores individuais (MEI).

Nesse grupo são mais de 2,6 milhões de MEIs no decorrer do último ano, representando um aumento de 8,4% em relação ao ano de 2019.

Com isso, essa categoria de empreendedores chegou ao total de 11,2 milhões de negócios ativos no país.

O MEI representa hoje 56,7% das empresas em atividade no Brasil e 79,3% das empresas abertas no ano de 2020.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, os dados confirmam a importância das medidas adotadas pelo governo, desde o início da pandemia, no socorro aos pequenos negócios e no estímulo ao empreendedorismo:

“As pesquisas realizadas pelo Sebrae têm mostrado que as pequenas empresas são o principal motor da economia brasileira. Não é exagero afirmar que são os donos de pequenos negócios que levam o país nas costas. Basta ver os dados de geração de empregos. As micro em pequenas empresas foram o único segmento que conseguiu reverter a perda de postos de trabalho provocada pela crise e fechar o ano com saldo positivo de 293,2 mil novos empregos”.

ATIVIDADES

As atividades econômicas mais exploradas pelas empresas abertas no ano passado foram: comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (200 mil empresas), cabeleireiros, manicure e pedicure (135 mil empresas abertas), fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar (110 mil empresas abertas), obras de alvenaria (108 mil empresas abertas) e restaurantes e similares (91 mil empresas abertas).

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais