Ei, você aí, querida marca: você jura dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade?

Por Luciano Busato Vignoli, diretor-presidente e de planejamento da e21 – Agência de Multicomunicação 

Num mundo de absoluta transparência, com os consumidores always-on, com as plataformas sendo alimentadas de todas as formas, por todo mundo, a toda hora, tudo de maneira absolutamente incontrolável, eis que é chegada a hora de abandonar de vez velhas práticas publicitárias de impor uma imagem plastificada da realidade e assumir… A verdade! 

A VERDADE PUBLICITÁRIA 

Durante cerca de um século e meio de história estruturada, a verdade publicitária foi trabalhada numa linguagem capaz de convencer o consumidor de um ideal de marca ampliado, ficcional, criativo, por vezes hiperbólico, muito autocentrado e impositivo. 

Os maiores publicitários do mundo conseguiram criar verdades originais para as marcas. Slogans incríveis. Conceitos visuais brilhantes. Narrativas sedutoras e emocionantes. E sempre com uma mensagem centrada no receptor para levá-lo a não raciocinar muito, a aceitar a verdade. E comprar

Todos nós, consumidores, de alguma forma, embarcamos nessa retórica e criamos uma escala de reputação das marcas em nossos cérebros baseada nisto. Com a força esmagadora da mídia de massa, então, a fórmula que já era irresistível se tornou invencível e funcionou espetacularmente bem por mais de um século. 

A VERDADE MULTICONECTADA DE HOJE 

Uma revolução digital depois, com o poder micropulverizado nas mãos do consumidor, estabelece-se, pois, uma nova narrativa e uma nova ordem dos fatos. Hoje, milhões de manifestações estão sendo feitas por um consumidor Always-On. Agora ele está com o poder, engajado, no controle, pronto a

postar, a interagir, a opinar e a dividir sua experiência. Ele não se contenta em receber e absorver (e reagir) à mensagem. Ele é seletivo. De um receptor, o consumidor (antes “alvo”) passa a ser protagonista. 

É uma nova verdade que se impõe, talvez mais filosoficamente grega, em que temas como diversidade, ética e sustentabilidade precisam compor a lógica das marcas e revelar as coisas serem como elas são. De verdade. Definitivamente, não há mais zona de conforto para as marcas. Nem fantasia descompromissada para a propaganda. 

A VERDADE DAS MARCAS 

Toda marca também tem que ter a sua verdade. As que ainda não definiram seu propósito, são seres vacilantes, não entendendo o jogo nesses novos tempos. Nem de longe basta que sua marca exponha o que faz ou como faz. É preciso definir o porquê ela faz. Sem verdade e sem propósito, hoje é muito difícil que uma marca se sustente, se apresente como relevante, se destaque. 

Para conectar-se de forma natural e genuína, é preciso mostrar a realidade. É preciso revelar identidade e expor de uma forma legal, aquilo no qual a empresa acredita. É preciso resumir a verdade da marca numa história. 

A NOVA VERDADE 

A comunicação está estressada por seus próprios limites de vício. A publicidade tradicional está embretada em seus próprios truques. O formato de criação e produção publicitária está sendo posto em cheque. Está velho. Os consumidores Always-On, exigem muito mais. 

Eis o (novo?) desafio: – uma construção dinâmica – storytelling, design e conteúdo – que mostra as coisas como elas são, com um talento narrativo que honra a tradição publicitária. Provavelmente chegaríamos a uma nova verdade na comunicação. 

Leia a versão completa do artigo e veja como a e21 cria a partir da verdade das marcas.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais