Empreendedorismo feminino: como entidades apoiam e impulsionam mulheres que empreendem

O mês de novembro traz um tema que proporciona diversas discussões. Mulheres cada vez mais têm conquistado sua voz e seu espaço na sociedade, principalmente no empreendedorismo. Especificamente no dia 19 deste mês é comemorado o Dia Internacional do Empreendedorismo Feminino e, como um único dia não seria suficiente, produzimos uma série com 30 entrevistas de mulheres fantásticas para falar sobre o tema. 

A convidada de hoje é Ionita Lunelli, gerente regional do Sebrae Vale do Itajaí, para falar sobre iniciativas e o panorama de mulheres empreendedoras no estado. Confira abaixo: 

Quais iniciativas o Sebrae possui para impulsionar o empreendedorismo feminino?

São várias: Sebrae Delas, Cidade por Elas (do programa Cidade Empreendedora), Entre Elas (desdobramento do Delas, mas com enfoque regional), entre outros produtos e serviços que visam auxiliar na gestão dos negócios e desenvolver comportamentos empreendedores, como por exemplo, o Empretec.

Qual a importância de fomentar iniciativas voltadas a mulheres que querem empreender?

O empreendedorismo feminino e sua importância precisam ser reforçados. Essas iniciativas auxiliam as mulheres para conquistar mais espaço no mundo dos negócios, fomentam uma rede de apoio e motivação para impulsionar outras mulheres ao empreendedorismo, geram independência financeira, mostram que é possível empreender com o respeito da família e da sociedade.    

Que suporte é possível encontrar nos programas e quais benefícios são oferecidos?

Consultorias, rede de apoio, conhecimento e informações sobre tipos de negócios, trocas salutares com outras empreendedoras, conhecer histórias inspiradoras, apoio na gestão.

Qual o panorama de empresas fundadas ou lideradas por mulheres em Santa Catarina?

O universo da mulher empreendedora é, acima de tudo, um ambiente para pessoas de coragem. Neste universo, elas sentem a necessidade de grupos de apoio com objetivos em comum, sem haver o hostil ambiente da competitividade. Uma rede de ajuda com soluções em comum. O desejo de empreender é grande, entretanto, as responsabilidades e obrigações das tarefas cotidianas nem sempre se mostram conciliadoras. Buscam oportunidades que sejam satisfatórias, resultando, principalmente, na independência financeira e aprovação da sociedade e família, especialmente quando ainda se mostram como parte de menor contribuição na renda doméstica ou dependente dos recursos dos maridos e/ou companheiros.

Quais os maiores desafios relatados pelas empreendedoras no início de sua jornada?

O maior desafio ainda reside no medo de empreender. Não existem dificuldades exclusivas somente para o sexo feminino. As dificuldades são inerentes ao ambiente econômico, à burocracia, às altas cargas tributárias. Um dos fatores críticos de sucesso é conciliar as múltiplas atividades. Em alguns casos há grandes dificuldades em conciliar atividades domésticas, cuidados com os filhos com as atividades empresariais; esta dificuldade se apresenta mais em empresas não formalizadas. As mulheres nos negócios em alguns casos possuem menos poder de barganha frente aos fornecedores e clientes. A voz feminina é menos valorizada e reconhecida. Por vezes, para alguns funcionários, a figura feminina é menos respeitada, seja para cobrança de resultados ou como uma imagem a ser idealizada.

Empresas lideradas por mulheres encontraram mais dificuldade para enfrentar a pandemia?

Sim. As mulheres tiveram mais necessidade de dedicar-se a atividades domésticas durante a pandemia. Neste período as crianças estavam em casa e o cuidado com os idosos aumentou por serem grupo de risco. Por motivos culturais, estas tarefas sempre recaem sobre as mulheres. Um estudo do próprio Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas apontou que 52% dos micro e pequenos negócios liderados por mulheres paralisaram de vez ou temporariamente as atividades durante a pandemia. Enquanto entre homens no mesmo segmento, o índice foi de 47%.       

De que maneira a troca de experiências pode potencializar o ambiente de negócios para mulheres?

A troca de experiências e compartilhamento de informações favorece o aprendizado e a possibilidade de através de experiências já vividas por outras empreendedoras evitar o erro, a perda de tempo, aplicando as melhores práticas para potencializar as ações e focando em resultados efetivos.

Quais os diferenciais da gestão feminina?

Primeiro a sensibilidade. A mulher consegue perceber os aspectos sutis das relações e usar essa percepção para melhorar os relacionamentos nos negócios. Cabe destacar aqui também a questão de que o sexo feminino de maneira geral tem a habilidade de realizar mais tarefas simultâneas, o que agiliza alguns processos no ambiente de negócios. Além disso, tem desenvolvido habilidades interpessoais e boa comunicação.    

Que características a mulher precisa desenvolver para iniciar a jornada empreendedora?

Aprofundar conhecimento em gestão financeira, tributos, gestão de pessoas, marketing digital. Desenvolver habilidades comportamentais (soft skill), como: resiliência, autoconfiança, segurança, coragem.    

Que conselhos você, como gerente regional de uma entidade tão grande representativa nacionalmente quanto o Sebrae, pode dar para as mulheres que buscam empreender ou assumir cargos de liderança?

Posso falar da minha experiência até o momento. Primeiramente, é entender o contexto e compreender os desafios, se conhecer para poder compreender as pessoas que trabalham com você, aprender a olhar as situações com paciência e equilíbrio e trabalhar suas lacunas como profissional. À medida que temos consciência de quem somos, fica mais fácil buscar conhecimento e trocas que irão desenvolver habilidades que ainda precisamos incorporar no processo de gestão.  

Estudos como o divulgado recentemente pela B3 apontam que a cada 100 empresas que possuem ações negociadas na Bolsa de Valores, apenas 6 contam com 3 ou mais mulheres em cargos de direção. Com dados assim sendo vistos frequentemente, que fatores propiciam este cenário e como é possível alterar esta realidade?

Ainda temos traços culturais que delegam as atividades domésticas às mulheres, o que pode limitar a atuação delas no universo de negócios. Acredito que o medo de empreender pode ser outro fator que traga limitação e que aos poucos será vencido, até porque existem muitas iniciativas de apoio, o próprio Sebrae, como já falamos, tem essa função. É preciso empreender muitas ações para estímulo ao empreendedorismo feminino e temos muitos exemplos de liderança feminina inspiradora no nosso país. Cabe à mulher continuar buscando seu espaço com coragem e determinação, para que tenhamos um equilíbrio de homens e mulheres no mundo dos negócios. 

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais