Setores do turismo de SC pedem socorro

Sem dúvida a dimensão econômica mais afetada pela pandemia em todo o planeta, o turismo e segmentos fundamentais como bares e restaurantes, provavelmente os maiores empregados do setor de serviços no Brasil, hotéis, eventos e tantos outros, tentam “respirar” depois de termos sido sufocados pela pandemia.

Só temos a elogiar o comportamento, a atitude e resiliência desses empresários, a imensa maioria micro, pequenos e médios, que obedeceram protocolos, ajudaram na prevenção e evitaram uma tragédia maior ainda. Merecem reconhecimento e todo o apoio para se reerguer.

No entanto, confesso que fiquei surpreso com as manchetes dos noticiários dos últimos dias, que mostram a indignada reação de setores do turismo ao veto do governador Carlos Moisés à redução do ICMS para alimentos e bebidas em Santa Catarina, de 7%, com equiparação ao percentual cobrado no Paraná e São Paulo (3,2%).

Entre os líderes que se manifestaram, o presidente da Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel/SC), Raphael Dabdab, afirmou que “Santa Catarina tem uma das mais altas cargas do país, pois a média nacional é de 3% para este tributo aos setores da gastronomia e entretenimento. E, ainda pior: durante a pandemia ambos sofreram aumento em duas ocasiões, para bebidas destiladas e vinhos e espumantes”.

Já a coluna do jornalista Moacir Pereira estampou: “O turismo e a insensibilidade política”. O decano da imprensa catarinense referia-se à entrevista que fez com o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH/SC), Rui Schürmann, em que este fez severas crítica ao Governo do Estado pela “insensibilidade” para com um setor que demitiu 50% dos seus funcionários durante a pandemia. “Entre as causas, a total falta de diálogo com o governo estadual desde o início desta tragédia mundial”, comenta o jornalista. E lembra: o turismo representa 12% do PIB estadual.

Nas últimas colunas venho repetindo que o turismo precisa ser colocado no centro da pauta do futuro de SC, assim como já o foi no governo Luiz Henrique/Pavan. Porém, agora, é urgente que seja socorrido: 5 mil empresas foram fechadas e mais de 40 mil desempregados por conta da pandemia.

Com o tema “Como SP reduziu o ICMS para a estimular a economia”, fui entrevistado pelo jornalista Emanuel Soares, da Jovem Pan News Florianópolis. Informei a ele que no estado em que sou secretário de Turismo e Viagens, baixamos o ICMS de bares e restaurantes de 3,69% para 3,2%, igual ao do Paraná. E ainda criamos para eles uma linha de crédito de mais de R$ 1 bilhão. Porém, expliquei ao Emanuel que não basta apenas baixar o imposto ou oferecer crédito, sem que haja por trás toda uma política para a retomada da economia, com aferição de resultados. Trata-se de trocar a “irracionalidade fiscal” pela “racionalidade econômica”.

Um dos exemplos disso é a questão da queda da arrecadação por causa da redução do ICMS. A médio e o longo prazo, o que acontece é o contrário. Em SP, a redução ajudou 250 mil estabelecimentos a voltarem a trabalhar. O impacto de arrecadação foi muito pequeno. Aliás, nós fizemos o mesmo com o ICMS do combustível das companhias aéreas. Era de 25% logo no início do governo em janeiro de 2019 e minha primeira medida sugerida ao governador João Doria foi baixar esse imposto para 12%, agora está equilibrado em 13,2%.

Mas, como eu disse, não basta apenas baixar o ICMS: nós fizemos uma negociação com as aéreas. Pedimos a elas que fossem parceiras na promoção de São Paulo, o estado nunca teve tanta promoção na mídia, no rádio, na televisão, como tem hoje, inclusive no exterior. Pedimos também a eles colocassem mais voos, colocaram 708 a mais por semana. Claro que com a pandemia isso diminuiu, mas agora está retomando. Fizemos também a privatização de 22 aeroportos no interior do estado, ou seja, tudo isso retroalimenta a economia e faz com que, no final, aumente a arrecadação, os investimentos e o principal: os empregos.

Essa “racionalidade econômica” que substitui a “irracionalidade fiscal” que só sufoca o setor produtivo, fez São Paulo crescer por conta desses incentivos fiscais, aliados a profundas reformas administrativa e previdenciária e um programa de privatizações e concessões, assim como a extinção de 10 empresas estatais.

O resultado disso é que o estado está investindo R$ 47 bilhões em obras e serviços, enquanto o governo Bolsonaro investe apenas R$ 44 bilhões em todo o Brasil, aliás, este é o menor investimento da história e afeta diretamente as rodovias federais em SC.

O resultado de tudo isso é que São Paulo cresceu mais do que o Brasil pelo terceiro ano consecutivo, somando 8,7% contra 1,6% do país. E “puxou” o PIB nacional ao crescer 6,2% em 2021, erguendo o PIB do Brasil para a casa de 4,3%, sendo dados da Fundação Seade.

É esta a “racionalidade econômica” que Santa Catarina deve buscar por ser o estado das Micro e Pequenas Empresas do Brasil. Resta agora apoiá-las e fazer pressão política para que a Assembleia derrube o veto do governador. Na verdade, é um castigo a mais para quem já foi tão castigado.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais