Baía da Babitonga desponta no mercado imobiliário de Joinville e atrai investidores

Protagonista do cenário náutico de Joinville, a Baía da Babitonga tem seus atributos naturais cada vez mais valorizados com o desenvolvimento urbanístico do bairro Espinheiros que, nas últimas décadas, conquistou novos patamares e, atualmente, é reconhecido como uma das regiões mais promissoras da cidade. 

O processo de transformação da região vem ocorrendo de forma contínua e teve como principais pontos de partida a geografia privilegiada, que atrai turistas e praticantes de atividades náuticas, e a consolidação da rota gastronômica formada por restaurantes especializados em frutos do mar. 

A partir daí, o investimento em melhorias da infraestrutura urbana proporcionou mais visibilidade e o crescimento do seu setor imobiliário que também passou por um processo de reposicionamento. 

Um dos personagens dessa transformação é o empresário Paulo Muller, proprietário do Restaurante e Petisqueira do Paulinho, um dos mais tradicionais da região. Ao chegar ao bairro, em 1994, o cenário que o empreendedor encontrou era muito diferente do que existe hoje:

“A rua principal era pavimentada, mas o resto era só mato. Dois anos depois veio o primeiro loteamento e no final da década de 1990 o progresso começou a aumentar. Daí vieram novos comércios, supermercado e mais casas começaram a ser construídas”, destaca.

Segundo o empresário, mesmo diante de um cenário rudimentar, a Baía da Babitonga já mostrava seu potencial e o motivou a investir no local.

Na primeira década dos anos 2000, o bairro efetivamente iniciou seu processo de desenvolvimento que teve como marco principal a criação do Parque Porta do Mar, em 2013. 

Hoje, a rota gastronômica conta com 15 empreendimentos e se mostra como região promissora:

“Nosso restaurante recebe famílias no almoço e jantar, além de pessoas de empresas do Brasil inteiro que vêm a Joinville a negócios e visitam a região para saborear nossa gastronomia e contemplar a beleza da Baía da Babitonga”, complementa.

Em relação ao setor imobiliário, ele relata que nos anos 90, não havia infraestrutura, as casas eram mais espaçadas.

“Hoje, além da maior quantidade, os imóveis são diferenciados. E a tendência é melhorar cada vez mais, já que o pessoal tem procurado a região pela questão da natureza e por estar mais perto do mar”, ressalta.

NOVOS INVESTIDORES

Filho do empreendedor Paulo Muller, o empresário Anderson Muller vivenciou o desenvolvimento do Espinheiros desde a sua infância e, assim como seu pai, vislumbra o futuro promissor da região. 

Prova disso é que, recentemente, adquiriu um terreno no condomínio Angra, primeiro a ser construído no complexo de condomínios residenciais independentes Península Babitonga, empreendimento assinado pela incorporadora Paysage Corpal, em parceria com a Hacasa Empreendimentos Imobiliários

“Houve uma renovação do perfil dos moradores da região e, neste momento, considero o Espinheiros o bairro que mais se valoriza em Joinville. Atribuo esse fenômeno à revitalização da infraestrutura; aos restaurantes que elevaram o potencial turístico do bairro; e ao fato de o joinvilense estar valorizando mais o pedaço de mar que embeleza a cidade”, afirma Anderson Muller.

Ainda sobre o potencial náutico da região, o investidor diz que muitas pessoas que têm barco e apreciam as atividades e esportes náuticos estão buscando morar mais perto do Joinville Iate Clube (JIC), para usufruir da região.

“O condomínio é um projeto diferente do que temos em Joinville e oferece a possibilidade de construir casas maiores, com toda a infraestrutura oferecida pelo condomínio. Considero mais vantajoso do que comprar um apartamento menor, pelo mesmo valor, em uma região diferente”.

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

De acordo com o Joinville em Dados 2021, elaborado pela prefeitura municipal, no início dos anos 2000, a população do Espinheiros era de aproximadamente 6,1 mil habitantes. Já em 2020, o levantamento apontou que a região contava com cerca de 9,6 mil habitantes. Ou seja, em 10 anos, o bairro cresceu 57%.

No ano passado, a prefeitura concluiu mais uma importante melhoria na região com a construção da nova calçada de aproximadamente 2,3 quilômetros de extensão, ao longo da avenida Baltasar Buschle, principal via do local. 

A calçada é acessível e foi construída preservando a área de mangue do seu entorno. Uma das pistas recebeu iluminação em LED, garantindo mais visibilidade e segurança aos pedestres. 

Além do investimento do poder público, a iniciativa privada está fazendo a sua parte e contribuindo para fomentar o desenvolvimento da região. 

Também no ano passado, a Paysage Corpal revitalizou o Parque Porta do Mar, por meio do programa Parceria Verde.

Com a iniciativa, um dos principais cartões postais da cidade ganhou melhorias como recuperação da calçada em petit-pavè, instalação de bicicletário, floreiras, luminárias e um letreiro instagramável com a frase Eu amo Joinville

A BRISA DO MAR DENTRO DE CASA

Viver próximo ao mar a poucos minutos do centro da cidade, com acesso a todos os tipos de comércio, serviços essenciais e grandes indústrias. 

O complexo de condomínios horizontais independentes Península Babitonga prevê uma área de aproximadamente 700.000 metros quadrados e possuirá localização privilegiada.

Estará em contato com a natureza e o mar e ao lado dos principais atrativos da área náutica da cidade: do Joinville Iate Clube (JIC), do Barco Príncipe, do Parque Porta do Mar e da rota gastronômica dos restaurantes especializados em frutos do mar. 

O Angra, primeiro condomínio a ser construído no complexo, com 90% das suas unidades já vendidas, é formado por 102 terrenos, com áreas que variam de 180 a 328 metros quadrados.

Já o Enseada, segundo condomínio do complexo, terá 116 terrenos, e também celebra grande quantidade das suas unidades reservadas.

Para saber mais, acesse o site da Paysage Corpal clicando aqui e siga a empresa nas redes sociais Instagram e Facebook.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais