BRF zera emissão de gases de efeito estufa em unidade do Sul

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, agora conta com sua primeira unidade Aterro Zero, alinhada com a meta da de zerar o balanço de suas emissões de gases de efeito estufa até 2040.

Desde abril, a fábrica de produção de pet food em Ivoti, no Rio Grande do Sul, passou a enviar 6 toneladas mensais de resíduos sólidos não recicláveis para coprocessamento.

Os resíduos passaram a ser triturados, peneirados e transformados em uma mistura com a granulometria adequada e se tornam combustível.

A mistura é destinada à produção de uma matéria prima, o clínquer, usada na indústria cimenteira, que precisa ser queimada a uma temperatura de 1.300ºC.  

Recipientes sujos de alimentos consumidos no refeitório, embalagens com alumínio por dentro, EPIs e fitilho, entre outros, são alguns dos resíduos sólidos que antes eram destinados a aterros. 

Já as cerca de 9 toneladas geradas mensalmente de resíduos recicláveis, como vidros, plásticos, metais, papelão e outros itens, são comercializadas e o material é reprocessado e volta a circular no mercado em forma de novas embalagens e produtos.

Na fábrica de Campinas (SP), adquirida da Mogiana, será implementado o mesmo processo.

“Esse trabalho é resultado da integração entre BRF e Hercosul, que nos permitiu levar à unidade outras alternativas de destinação de resíduos. Assim, otimizamos nossos processos, reduzimos custos e estamos contribuindo para o meio ambiente e a sociedade”, ressalta Mariana Modesto, diretora de Sustentabilidade da BRF. 

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais