A essência do ESG: só nos engajamos ao que faz sentido

Por Alex Marson, CEO e membro do Conselho de Administração da Rudolph Investimentos e Participações e Líder do Capitalismo Consciente Santa Catarina.

É animador e me enche de esperança observar o enorme espaço que a pauta ESG conquistou nos círculos empresariais, impulsionada por uma conjunção de forças que tem origem na urgente transformação do modo de se conduzir investimentos e negócios. Apesar de todo esse espaço, nossa visão como líderes empresariais ainda está em formação.

O debate tem se concentrado nas motivações econômicas que nos levam a criar sistemas para lidar com aspectos ambientais, sociais e de governança. Imprescindível, no entanto, olhar para o ESG também sob uma perspectiva humana, e enxergar o papel das organizações na construção de caminhos sustentáveis para o mundo. 

Para nos engajarmos com a profundidade necessária, é fundamental que a sigla ESG faça sentido não apenas para o sistema econômico, mas também para cada um de nós. Só nos engajamos ao que faz sentido, e não seremos capazes de salvar o mundo, de forma caricata, simplesmente “porque o Larry Fink mandou”.

O bilionário, que lidera a gestão de mais de US$ 10 trilhões em ativos, tornou-se mais conhecido por suas cartas anuais a CEOs, que assertivamente definem contornos para um capitalismo conduzido por relacionamentos mutuamente benéficos a todas as partes. As declarações de Fink deixam claro ao mercado o motivo econômico: “nós nos concentramos em sustentabilidade não porque somos ambientalistas, mas porque somos capitalistas e fiduciários para nossos clientes”.

Assim como aos gestores de fundos, o dever fiduciário compele empresários, administradores e lideranças organizacionais a assumir que a lucratividade de uma empresa depende basicamente de sua contribuição para o mundo, expressa em um propósito claro, perseguido por relacionamentos mutuamente benéficos com seus colaboradores, clientes, fornecedores e comunidades.

A EVOLUÇÃO DO CAPITALISMO

Enxergo aí a beleza do capitalismo: um sistema que, quando praticado com consciência sistêmica, é capaz de orientar forças interconectadas a produzir os resultados desejados pela sociedade. Evidente que o sistema, que aperfeiçoamos desde a Revolução Industrial, gerou enorme prosperidade. Em vários aspectos é possível dizer que vivemos os sonhos dos nossos bisavós. Coletivamente, no entanto, também produzimos resultados que ninguém quer. A transformação acelerada, e a crescente complexidade do mundo em que vivemos, tornam urgente o aprimoramento desse olhar.

A percepção desta emergência, que já causava alteração no fluxo de capitais e a reprecificação de ativos, ficou mais clara com a pandemia. Neste momento de excepcional transformação, desafios gigantes encontram soluções à altura, impulsionadas pelo universo de possibilidades habilitado por tecnologias disruptivas. 

Propósitos evolutivos dão sentido às empresas. Nos maiores problemas do mundo talvez residam as maiores oportunidades de negócios. E é na direção delas que o capital consciente nos leva. 

No campo ambiental, por exemplo, a descarbonização global tem o potencial de criar a maior oportunidade de investimento de todos os tempos. No social, nem é preciso sair de casa para identificar oportunidades fantásticas: a mais recente pesquisa global do Gallup (2021) revela o tamanho do desperdício de potencial humano nas organizações, apontando que apenas 20% dos colaboradores são engajados à organização a que servem. 

É vital, para a longevidade de uma empresa, que a maneira de pensar seu negócio seja coerente com o estado do mundo atual, e com o ponto em que ela está inserida na jornada humana. Essa consciência pode abrir espaço para a realização do valor que reside no potencial inato dos negócios para causar impacto positivo.

ESG CONSCIENTE

O claro e convincente motivo econômico para abraçar o ESG é gerado a partir da consciência de que o benefício ao sistema, aos múltiplos stakeholders, precede o benefício “para mim” ou “para o meu”. Envolve a percepção de nossa interdependência, de conexões ambientais e sociais que precisam ser conservadas, transformadas e regeneradas. 

O papel do ESG na construção de caminhos para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) precisa partir de uma intencionalidade mais profunda para fazer sentido. É fundamental transcender o motivo econômico, para engajar pessoas nos diversos grupos de stakeholders, com abertura para a atualização de paradigmas. Desenvolver um novo olhar para como o mundo onde a empresa opera é impactado pelo que ela faz, como ela faz e por que ela faz. A transformação que precisamos virá da essência de como enxergamos o mundo e as nossas relações.

ESG de verdade não corre em paralelo ao negócio, incorpora a consciência à prática do próprio negócio. Desenvolve-se com a clareza de que empresas não são somente máquinas de gerar lucros. Enxerga que recursos naturais são muito mais que insumos produtivos. Que pessoas não são engrenagens. Atribui à organização o papel social, que não se restrinja a não agredir, mas deixe uma contribuição efetiva à cura da nossa sociedade e do nosso planeta. 

O Capitalismo Consciente propõe um modelo que provê a sustentação de um ESG  verdadeiro: percebendo a empresa como um sistema vivo movido por uma causa maior que a pura geração de lucros, integrando e harmonizando os interesses de cada parte no negócio por meio de uma cultura consciente, forjada por líderes com coragem para promover essa transformação.

Operando a partir dessa consciência sistêmica mais ampla, a pauta ESG pode focar no desenvolvimento dos artefatos, práticas, processos e sistemas que asseguram a governança e alavancam a eficácia na geração dos resultados desejados.

O ESG QUE EU QUERO COCRIAR

As práticas ESG são um pilar para as organizações e a sociedade se reinventarem, mantendo-se prósperas e longevas. A construção deste caminho complexo é coletiva por natureza. No sentido etimológico, complexo é aquilo que é tecido em conjunto, e sustentabilidade, por natureza, pressupõe uma visão interconectada, interdependente. 

Seja para preservar ou para gerar valor, pela consciência das necessidades humanas, ou mesmo pela motivação puramente econômica, pelo amor ou pela dor, o ESG verdadeiro será fundamental para as empresas se manterem relevantes. 

Eu escolho contar a história que fazemos pelo amor, pela vida. O ESG que eu quero começa com a essência, manifestada de forma simples, pelo Juramento da Empresas que Cura*:

Primeiro, não prejudique

Vou administrar minha empresa de modo a não prejudicar os outros ou a terra

Erradique o mal

Nunca permitirei ou pactuarei com abuso e exploração. Serei um herói diário que defende a justiça, a verdade, a beleza, a integridade e a simples bondade

O amor conquista tudo

Vou funcionar com amor. Medirei o sucesso pela realização, abundância e alegria que eu proporcionar aos outros.

* SISODIA, Raj; GELB, Michael. Empresas que curam. Alta Books, 2020

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais