Bolshoi SC 22 anos: o palco da esperança

Em março, a única Escola de Balé Bolshoi fora da Rússia comemorou 22 anos no Brasil. Foi uma das primeiras obras de um visionário que viria a revolucionar Santa Catarina: Luiz Henrique da Silveira era ainda prefeito de Joinville quando o Bolshoi Brasil foi inaugurado no ano 2000, depois de uma rigorosa seleção feita pelo então diretor artístico do teatro, Alexander Bogatyrev, que saiu pelo mundo em busca de uma cidade que pudesse reproduzir as mesmas características da Escola Coreográfica de Moscou.

Trazer o Bolshoi para cá foi o primeiro passo dado por Luiz Henrique para internacionalizar a cidade e depois toda Santa Catarina, quando elegeu-se governador em 2002, com uma proposta revolucionária de descentralização do estado, que incluía um ousado programa de logística: cinco portos, aeroportos internacionais e regionais, duplicação da BR-101 no Norte ao Sul, tecnologia e inovação, atração de investimentos, transformação de SC num destino turístico para o país e o exterior.

Luiz tinha outros planos, como por exemplo a duplicação de outras rodovias federais, mas não conseguiu executar e, apesar de todas as vitórias, confessava sentir-se frustrado por não ter feito em sete anos tudo o que desejava.

A vinda do Bolshoi tem a marca registrada do estadista. Não só por ter unido duas nações e transformado o Brasil numa referência para as artes no mundo cultural planetário, mas também pelas centenas de profissionais que passaram por 8 anos de estudos e hoje atuam em companhias do Brasil e do mundo. E novas crianças começam as aulas todos os anos para realizar sonhos e transformar suas vidas por meio do balé.

Numa reportagem que escreveu sobre os 22 anos do Bolshoi Joinville, o jornalista Hassan Farias conta a história de duas dessas crianças, um relato emocionante. Ana Luisa de Araújo Oliveira, de 11 anos, e Pedro Souza Lima, de 9 anos, saíram da Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, para morar em Joinville. Eles estão entre os 20 meninos e 20 meninas que começaram o ano letivo no início deste mês.

“O que mais me impressionou até agora foi que a escola é muito organizada e que eles dão muito amor no que fazem. É uma coisa mágica”, disse Ana Luiza ao repórter. Como bolsistas, além de ensino gratuito, eles recebem benefícios como alimentação, transporte, uniformes, figurinos, assistência social, orientação pedagógica, assistência odontológica preventiva, atendimento fisioterápico, nutricional e assistência médica de emergência/urgência pré-hospitalar.

A história dos dois é como a história do Bolshoi no Brasil e como a história de Luiz Henrique da Silveira: a transformação da vida pela arte, pela cultura, pela gestão pública eficiente, que realiza obras com visão de futuro, em parceria com os empreendedores da iniciativa privada. Os 6 mil metros quadrados do Centreventos Cau Hansen que Luiz Henrique destinou ao Bolshoi são o palco da esperança, onde anualmente se realiza o maior festival de dança do planeta. Este é o Brasil que queremos, é a Santa Catarina que queremos.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais