CEO da Híbrido fala como o e-commerce se tornou diferencial estratégico nos negócios

Durante o pico da pandemia, as vendas online salvaram negócios. Segundo levantamento da Neotrust, no ano passado o e-commerce registrou um crescimento de 26,9% em relação ao ano anterior, totalizando um faturamento recorde de mais de R$161 bilhões. Agora, com a retomada da economia, se fortalece como diferencial estratégico no mercado.

Para saber mais sobre as tendências do setor, o Economia SC Drops conversou com Rhuan Willrich, CEO da Híbrido, agência com foco em soluções inovadoras para e-commerces, atuando desde o desenvolvimento de lojas virtuais a projetos de digital branding e mídia para o segmento. Confira abaixo:

O e-commerce foi um grande diferencial competitivo nos últimos dois anos. Essa realidade se mantém para os próximos anos?

Rhuan: Sem dúvidas. No período pós pandemia, foi um canal de sobrevivência para muitos empreendedores. Com o restabelecimento dos pontos físicos, o e-commerce mostra cada vez mais o papel estratégico de transformação digital que traz para as empresas de todos os portes, e assegura seu espaço cada vez maior nos direcionamentos e investimentos das empresas do mercado. Muitos clientes ainda nos questionam se tem espaço para entrar ou se o timing passou – e o que vemos são números bastante animadores. O mercado de e-commerce da América Latina foi o que mais cresceu no mundo pós pandemia, e quando olhamos para a penetração, ainda é o com mais espaço para crescimento. Estamos só no começo!

Por que o processo de digitalização das vendas foi impulsionado principalmente por conta da pandemia? O que não tinha antes disso?

Rhuan: Quando as marcas se deram conta, em várias regiões o comércio físico foi interrompido, sendo o digital a única forma de continuar transacionando. Porém, por mais que abrir uma loja virtual seja rápido, estruturar uma operação de e-commerce traz enormes desafios, que mostram que a mortalidade desse canal ainda é bastante alta no mercado brasileiro. Manter um estoque atualizado, ter todas as descrições vinculadas aos produtos, fotos de qualidade, capacidade no atendimento online, clareza sobre o investimento em tecnologia e marketing digital, além claro de um plano de negócios efetivo e uma visão de médio longo prazo é uma maturidade que poucas empresas possuíam. Algumas aceleraram essas discussões em investimentos, mas com o passar do tempo precisaram amadurecer em todas essas frentes para não ser um “voo de galinha”. 

O que exatamente mudou no comportamento do consumidor para o formato online?

Rhuan: Tivemos a entrada de muitos novos consumidores online. Aqueles que num primeiro momento estavam receosos, já sob posse de um cartão de crédito, começaram a avaliar o ecommerce como uma alternativa de comodidade e acesso, além de só um incentivo de melhor preço que foi o principal argumento do e-commerce durante muito tempo. Com o passar das gerações, e a mudança natural de hábitos do consumidor em virtude do momento pós pandêmico, o volume de vendas deve continuar em crescimento e conquistando novos membros ano após ano.

Como a tecnologia está ampliando as possibilidades de vendas online? O crescimento do e-commerce democratizou o mercado de vendas online? Quais os benefícios desse formato? O que ainda precisa melhorar?

Rhuan: As tecnologias, sem dúvida, estão se tornando mais acessíveis às possibilidades de atrair, reter e converter os consumidores online. À medida que o mercado se profissionaliza, a concorrência aumenta, a tendência é que o consumidor se sinta mais seguro e tenha um serviço de melhor qualidade. A tendência com a competição interna e externa também, com várias empresas de fora do país olhando para o Brasil (como Shopee, Shein, Alibaba), gerarão mais oportunidades para os consumidores e maior crescimento no mercado. Por ser um mercado ainda recente, sem um vasto campo bibliográfico e de formações específicas, ainda é comum para os empresários ter dificuldade em saber as principais estratégias, indicadores, casos de estudo para crescer uma operação de e-commerce. Nesse sentido, uma abertura para a inovação, para a agilidade na tomada de decisão, e especialmente uma decisão baseada em dados, tornarão a implementação do canal mais fluída e bem sucedida.

Quais as tendências do mercado para os próximos anos?

Rhuan: A clareza que as marcas precisam ter é sempre o consumidor no centro. Seja uma operação B2B ou B2C, quanto mais rápido entenderem o padrão comportamental do seu cliente, e tornar a experiência dele cada vez melhor, se diferenciam frente à concorrência. Temos visto iniciativas muito bem sucedidas de conversational commerce, usando os canais sociais e de relacionamento de uma forma mais escalável; live commerce, que aproxima e humaniza também marcas com consumidores e torna o processo de compra ainda mais facilitado; e por fim B2B e marketplaces ainda tem um grande espaço para serem explorados por diversas marcas, digitalizando os canais de venda físicos, aumentando a capilaridade e acesso aos seus clientes aos produtos da empresa.

E quem não optar pelo e-commerce. Há consequências?

Rhuan: Sem dúvidas. O consumidor cada vez mais está digital, com expectativas de velocidade, acesso e informações claras. Se a marca ainda não se adaptar, tornará a experiência de compra mais complexa e será ultrapassada pelos concorrentes.

Como a Híbrido atua nesse setor? Quais são os diferenciais? O que vocês estão resolvendo no mercado?

Rhuan: Atuamos de ponta a ponta para apoiar os nossos clientes na transformação digital por meio do e-commerce, utilizando de metodologia proprietária baseada no conceito ágil. Temos um time de mais de 90 profissionais especializados nas diferentes competências em tecnologia, design e negócios, certificados nas principais plataformas de mercado e empresas inovadoras como Google, Meta, Adobe e Vtex. 

Confira outras entrevistas do Economia SC Drops clicando aqui.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais