Como as fintechs contribuem com a inclusão e educação financeira no país? 

Por Maria Cristina Kopacek, co-fundadora da Idez.

Para o sistema financeiro brasileiro o momento é de transformação, não só quando falamos de tecnologia, mas também em relação à educação dentro desse tema, já que atualmente as pessoas estão cada vez mais preocupadas em entender e compreender diversas peculiaridades ligadas às suas finanças. 

Para se ter uma ideia do quão defasado nosso país está em relação à inclusão financeira, de acordo com a Financial Group e o Centre for Economics and Business Research (Cebr), dos 42 países analisados no estudo, o Brasil está em 35º lugar, atrás de países como Índia, Quênia, Turquia e África do Sul. O top 5 é liderado por Cingapura, Estados Unidos, Suécia, Hong Kong e Finlândia.

E é aí que entram as fintechs, instituições financeiras que propõem mudanças e oferecem serviços trazendo benefícios para os clientes. Sabemos que quando falamos sobre finanças, já nos vem à cabeça os sistemas burocráticos e engessados que muitos bancos tradicionais oferecem aos seus clientes, mas o crescimento das fintechs tem rompido diversas barreiras proporcionando o que há de mais inovador no sistema financeiro. Segundo o levantamento Inside Fintech, feito pela Distrito, consultoria de inovação aberta,  entre 2016 e 2022 surgiram 513 novas startups do setor financeiro. Já são 1.289 startups desse tipo atuando no Brasil.

Quando falamos sobre inclusão, por exemplo,  o Banco Central (BC) afirma que em dez anos (2008 – 2018), o acesso ao cartão de crédito, por exemplo, passou de 43% para 51%. Esse crescimento está ligado aos benefícios, isenção de taxas e facilidade oferecidas pelas fintechs. Nesse cenário, listo algumas questões que considero importantes para impulsionar a educação financeira em nosso país:

Controle Financeiro

Ter controle financeiro é indispensável e para isso as fintechs possibilitam a criação de aplicativos com fácil acesso para que todos possam monitorar suas finanças, desde o planejamento até o controle das entradas e saídas;

Negociação de Dívidas

Quando o assunto é negociação de dívidas, muitas vezes não sabemos nem por onde começar, para isso as fintechs possuem soluções que auxiliam no processo de negociação das dívidas com diversos bancos e empresas,e proporcionam taxas de juros mais baixas;

Empréstimos

Muitos acabam utilizando  o cheque especial como alternativa, mas na verdade, esse método pode resultar em grandes juros, dificultar os processos e comprometer as finanças. Desta forma, algumas soluções auxiliam a comparação de diferentes linhas de crédito (marketplaces).

Contas Digitais, Cartões e Meios de Pagamento

Esses itens trouxeram a concorrência com os serviços bancários tradicionais, pois não é mais necessário ir até as agências físicas para abrir uma conta, efetuar pagamentos ou resolver problemas financeiros, isso facilita o acesso às pessoas que moram distantes desses estabelecimentos. 

Por fim, acredito que investir em novos meios financeiros é indispensável. Esse artigo mostra o quanto a desburocratização auxilia e facilita o dia a dia em relação às finanças, que na maioria das vezes, é considerado  uma verdadeira dor de cabeça! Pense sobre isso, são questões que ajudam a impulsionar a educação financeira em nosso país.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais