Investimentos em startups caíram 65% no último semestre

As captações das startups brasileiras despencaram no segundo semestre do ano passado, segundo o Inside Venture Capital, da plataforma de inovação Distrito.

A alta global dos juros pesou sobre o apetite do capital de risco. Apesar dessa desaceleração nos últimos seis meses, alguns setores, como o de energytech, mostraram resiliência e receberam cheques elevados.

Um outro levantamento, o Retrospectiva 2022, aponta que o ano passado foi o segundo melhor para o setor desde o início da série, em 2013. 

Entre julho e dezembro do ano passado, as startups captaram US$ 1,54 bilhão em recursos, o que representa uma queda de 65% em relação ao mesmo período de 2021.

Graças ao bom desempenho da primeira metade do ano, as startups arrecadaram US$ 4,46 bilhões no ano passado, só perdendo para os US$ 9,8 bilhões levantados em 2021. 

“É inegável que houve uma piora de cenário ao longo do ano, levando o capital de risco a ser mais seletivo. Mas a desaceleração mais forte no segundo semestre é a consolidação de um cenário que começou a se desenhar ao final de 2021. Apesar do ambiente macroeconômico desafiador, os VCs captaram e ainda possuem níveis recordes de capital. Só nos Estados Unidos, são US$ 290 bilhões disponíveis para serem investidos em empresas de tecnologia”, explica Gustavo Gierun, CEO e cofundador do Distrito.

Um setor que recebeu esses cheques mais elevados foi o de energytech, que captou US$ 174 milhões no período. Isso representa uma alta de 41,8% sobre todo o ano de 2021, quando o volume ficou em US$ 123 milhões.

O grande destaque ficou por conta da Órigo, startup que atua em geração distribuída de energia solar e que recebeu US$ 135 milhões em julho.  

Outros destaques do segundo semestre: 

  • Early stage (série A e B): US$ 630 milhões, -70,1% em relação ao segundo semestre de 2021.
  • Late stage (série C em diante e private equity): US$ 720 milhões, -66,4% em relação ao segundo semestre de 2021.
  • M&A: 79 operações, -41% em relação ao segundo semestre de 2021. 

Retrospectiva 2022: 

  • M&As: 200 operações em 2022, contra 250 em 2021.
  • M&As: 107 transações de startups comprando outras startups, o que representa 56,9% do total de operações de aquisição durante o ano.
  • M&As: 57 aquisições foram feitas por corporações, ou 30,3% do total.
  • M&As: fintechs é o setor com mais deals, respondendo por 23,4% do total.
  • Captações: foram 12 mega rounds (deals superiores a US$ 100 milhões) em 2022, -69,2% em relação aos 39 de 2021.

Leia notícias sobre startups clicando aqui.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais