6 conselhos para empreendedores planejarem o ano

Este será um ano de desafios para empreendedores de diferentes segmentos. Na tecnologia, empresas de diferentes setores já deram o start em iniciativas internas para garantir mais vendas, retenção de talentos, engajamento dos times e buscar parcerias. 

As empresas estão investindo na automação de marketing, em práticas de inclusão e diversidade, em fortalecer a governança e em consolidar o modelo flexível de trabalho e em construir um bom networking.

Conheça algumas das iniciativas em startups e empresas de tecnologia e os conselhos para empreendedores: 

Planejamento e estratégia: é preciso ter foco e se concentrar nas metas da empresa

Na opinião de Guilherme Reitz, CEO e cofundador da Yungas, especializada na gestão e comunicação de grandes redes de franquias, é importante que o empreendedor se concentre em seu planejamento e estratégias, evitando gastar tempo e energia com o turbulento cenário político-econômico do país.

“Em momentos turbulentos e polarizados como temos vivido no Brasil nos últimos anos, é comum que alguns empreendedores se desgastem e tomem decisões equivocadas e precipitadas frente às incertezas. A verdade é que o Brasil sempre teve inúmeros problemas e desafios político-econômicos, e provavelmente isso infelizmente não mudará no curto prazo. O empreendedor, especialmente o pequeno empreendedor, na minha visão, deve canalizar todas as suas energias em se adaptar, executar o seu plano, fazer seu negócio crescer e não deixar as mazelas de Brasília atrapalharem seu foco”, destaca.

Ele teve duas jornadas no mundo do empreendedorismo até conseguir escalar o modelo de negócios com a Axado, startup pioneira e líder em tecnologia logística para ecommerce, que foi vendida para o Mercado Livre, em 2016, por R$ 26 milhões. Em 2018, fundou a Yungas, plataforma líder em customer success para grandes operações de franchising, que hoje já atende mais de 7 mil franquias, incluindo alguns dos maiores grupos do segmento no Brasil.

“Em doze anos de empreendedorismo, aprendi que o importante é focar em estratégias e metas, independente do cenário político. No final das contas, o foco na execução desses planos é o que de fato vai trazer resultados significativos para a empresa”, conclui.

Marketing: automação para vender mais

O cenário global de recessão previsto para este ano é uma das preocupações do setor de vendas das empresas. Nesse contexto, André Floriano, country manager da edrone no Brasil, orienta que o foco seja a retenção de clientes, que exige menos investimento que a aquisição de leads.

A startup polonesa especializada em automação de marketing e busca por voz para comércio eletrônico acompanha a evolução principalmente de pequenas e médias empresas em 25 países.

No Brasil, uma das estratégias adotadas no ano passado foi a consolidação do time de vendas e se tornar uma referência em inteligência de dados de e-commerce para alavancar as vendas dos clientes. 

“Vemos um potencial grande no e-commerce brasileiro entre PMEs e este ano pode ser uma boa oportunidade dessas empresas usarem estratégias de marketing digital para fortalecer o relacionamento com o consumidor. A principal dica para quem vende online é conhecer seu cliente e estabelecer um contato próximo dele. Apostar em omnicanalidade, com venda em diferentes canais, estimular feedbacks e avaliações, criar benefícios de fidelização e compartilhar conhecimento são ações que podem ser automatizadas. A automação das atividades de Marketing, além de economizar tempo e esforço da equipe, gera resultados muito melhores do que as práticas tradicionais. O custo-benefício é imbatível”, sugere.

M&A: startups precisam adequar governança

Para Rafael Assunção,  fundador e managing partner da Questum, deverá ocorrer expressiva ampliação do perfil de empresas que buscam, por meio da aquisição de startups, acessar novos modelos de negócios, produtos e times este ano.

“Acreditamos que será um ano de retomada seletiva de IPOs, o que traz liquidez a potenciais compradores e abre mais oportunidades de M&A para startups. Além disso, algumas mudanças regulatórias podem acelerar as movimentações em determinados segmentos. Destacamos a agenda de Open Finance do Banco Central, que deve continuar acelerando as oportunidades para as fintechs. Na mesma linha, o novo marco regulatório liderado pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) tende a acelerar o segmento das insurtechs”, afirma.

Para que os empreendedores estejam preparados para aproveitar as oportunidades, porém, é preciso se antecipar e aprimorar os aspectos de governança corporativa, levando a startup a um patamar de práticas tributárias, trabalhistas e societárias adequado às demandas de empresas de capital aberto.

“Do ponto de vista dos compradores, o maior desafio é encontrar startups que tenham um tamanho e nível de governança adequados para viabilizar uma operação. Do lado das startups, é a construção de modelos de transação de M&A que sejam capazes de realizar as sinergias planejadas”, orienta.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais