Siga nas redes sociais

sebrae empreendedorismo feminino 2023 marina barbieri economia sc drops
Foto: Divulgação

Os impactos do empreendedorismo feminino na economia brasileira

O empreendedorismo feminino é uma tendência crescente no Brasil e no mundo. Segundo dados do Sebrae, as mulheres empreendedoras representam 34,4% dos negócios formais do país, o que equivale a mais de 10 milhões de empresas.

O crescimento do empreendedorismo feminino tem um impacto significativo na economia brasileira, contribuindo para o aumento da produtividade, da geração de emprego e da renda.

Para entender melhor os impactos do empreendedorismo feminino na economia brasileira e as tendências de mercado, conversamos com Marina Barbieri, Coordenadora Sebrae Delas Mulher de Negócios Santa Catarina. Confira no Economia SC Drops abaixo:

Qual é a importância do empreendedorismo feminino no cenário econômico atual?

Marina: As mulheres veem no empreendedorismo uma oportunidade de transformação, independência financeira e realização pessoal. Diante de um mercado de trabalho com poucas oportunidades de ascensão e salários mais baixos para mulheres, ser empreendedora se torna uma alternativa interessante para elas. Além da geração de renda, as mulheres são responsáveis pela maior parte do trabalho doméstico e de cuidados, ter um negócio próprio é uma alternativa para muitas conseguirem conciliar o trabalho e a família.

Quais são os setores mais populares entre as empreendedoras no Brasil?

Marina: As mulheres se destacam nos setores de serviços, comércio e indústria. De acordo com pesquisa do Sebrae, a partir de dados do IBGE, no terceiro trimestre de 2022, o percentual de mulheres nesses setores é:

  • Serviços (53% de mulheres e 36% de homens) 
  • Comércio (27% de mulheres e 20% de homens)  
  • Indústria (13% de mulheres contra 6% dos homens) 

As atividades em que as empreendedoras mais atuam são: 

1. Cabeleireiros e tratamento de beleza  

2. Comércio de vestuário  

3. Serviços de catering, bufê e serviços de comida preparada  

4. Comércio de produtos farmacêuticos, cosméticos e perfumaria  

5. Confecção sob medida  

6. Profissionais de saúde (exceto médicos e odontólogos) 

7. Confecção (vestuário)  

8. Outras atividades de serviços pessoais  

9. Outras atividades de ensino  

10. Fabricação de artefatos têxteis 

Isso gera um desafio a mais para o empreendedorismo feminino, porque as atividades com as quais têm mais familiaridade, como beleza, moda e alimentação são atividades que costumam ter um valor agregado menor. Muitas delas atuam como MEI, 45% do total de microempreendedores individuais no Brasil são mulheres. Algumas costumam empreender por necessidade e outras por sonho ou vocação. Mas independentemente da motivação, o MEI é um facilitador para a implementação, o desenvolvimento e a alavancagem de pequenos negócios.

Qual é o perfil da mulher empreendedora hoje?

Marina: Segundo o estudo citado anteriormente, Santa Catarina possui 404.659 empreendedoras, o que corresponde a 35% do total de pessoas donas de negócio no estado. No Brasil, esse número é de 10,3 milhões de mulheres, o que representa 34,4% do total de negócios. Uma pesquisa realizada pelo Sebrae Delas, em parceria com o Observatório de Negócios do Sebrae/SC, mapeou o perfil da participante do programa. De acordo com o estudo, a média de idade entre as empreendedoras é de 42 anos e a maioria, 67,8%, tem ensino superior. Cerca de metade das 400 entrevistadas na pesquisa são mães e 53% são casadas. A renda mensal familiar e de R$ 5.470,43 e 4 em cada 10 respondem sozinha pelo sustento da família. A grande maioria era funcionária antes de empreender, 80%, e apenas 4,8% das mulheres já tiveram outras empresas. Para 73,5% delas, essa é a primeira experiência como empreendedora.

Qual é o impacto do empreendedorismo feminino na sociedade e na economia em geral?

Marina: O empreendedorismo feminino é importante para gerar exemplo. Uma mulher que empreende torna-se uma inspiração para outras mulheres seguirem os mesmos passos. Outro forte impacto proporcionado pelo empreendedorismo feminino é que a renda gerada pela mulher não é investida apenas em benefício próprio, as mulheres revertem muito mais na família e na comunidade. Quando uma mulher empreende, ela gera a sua volta um ciclo de prosperidade com relação à sua comunidade, à sua família e a outras mulheres. Elas tendem a investir mais na educação dos filhos, no suporte à comunidade e na assistência aos parentes. Criando uma rede de apoio fortalecida e com melhores possibilidades financeiras. Elas também empregam mais mulheres, preferindo contratar mão de obra feminina para os seus negócios. É importante destacar que todos esses impactos estão alinhados com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Agenda 2030 das Nações Unidas. Entre os 17 objetivos, o ODS 5 é voltado especificamente para a igualdade de gênero. Por mais que mulheres tenham avançado no mercado de trabalho, na carreira, na liderança e no comando dos seus próprios negócios, existem diferenças culturais e de socialização que dificultam a dinâmica de oportunidades para a mulher empreendedora. O empreendedorismo, a valorização e independência financeira de mulheres pode contribuir para questões como a diminuição da violência contra mulheres e da discriminação por gênero e também para o reconhecimento e remuneração do trabalho não pago (como as atividades doméstica e de cuidados), gerando uma sociedade mais igualitária.

Quais são as tendências emergentes no empreendedorismo feminino no Brasil?

Marina: A tendência que a gente mais percebe hoje é a valorização das soft skills como uma ferramenta e um diferencial importante para o empreendedorismo feminino. Também conhecidas como competências socioemocionais, essas habilidades são indispensáveis para empreendedoras superarem desafios e obstáculos que vêm da socialização feminina. Basicamente, as soft skills são ferramentas que proporcionam uma maneira de lidar melhor consigo mesma, com as suas emoções e com a interação com os outros. Algumas dessas tendências são: a inteligência relacional, a inteligência emocional, a autogestão, a resiliência, a autoconfiança, motivação, trabalho em equipe, empatia, gestão de pessoas, entre outras. Até mesmo, a felicidade pode ser considerada como uma dessas habilidades. Também percebemos uma tendência com relação a maior capacitação. As mulheres costumam ser mais escolarizadas e dedicar mais horas à capacitação do que os homens. Temas como o lifelong learning, que quer dizer o aprendizado constante ao longo da vida, fazem parte do dia a dia da empreendedora.

Como o SEBRAE apoia empreendedoras e mulheres que desejam iniciar seus próprios negócios?

Marina: O Sebrae tem um programa específico dedicado ao empreendedorismo feminino. O Sebrae Delas Mulher de Negócios atua para fomentar a cultura empreendedora entre mulheres. Desenvolvemos a metodologia “Eu, Meu e Nós” para abranger todos os pilares do cotidiano da empreendedora. O “Eu” fala de desenvolvimento e crescimento pessoal. O “Meu” é sobre as habilidades específicas relacionadas a empreender e gerir o negócio. E o “Nós” aborda a questão de formação de rede e conexão, consolidando comunidade e networking. A partir desses pilares, criamos soluções específicas para mulheres em diferentes maturidades empreendedoras. O ciclo online de palestras Encontro entre Elas traz palestrantes de renome nacional todo o mês para falar de temas como autoconhecimento, propósito, mindfulness, aprendizado para a vida, resiliência, gestão do tempo, comunicação não violenta, imagem pessoal e outras soft skills. Ainda para a capacitação mais rápida e agilizada, ofertamos o Conexão entre Elas, que são encontros presenciais de conteúdo e networking. Temos também as trilhas, que são percursos completos de aprendizagem para desenvolver o potencial empreendedor de cada mulher de acordo com o seu perfil. As trilhas são cursos focados nas necessidades específicas das empreendedoras, com encontros semanais e duração de aproximadamente dois meses. Uma oportunidade de aprender sobre hard skills importantes para o planejamento, como OKRs e Canvas, mas também para desenvolver suas soft skills e construir rede de relacionamento profissional entre empreendedoras. Além disso, em 2023, realizamos muitas ações pioneiras, como o Delas Summit, evento que reuniu mais de 3 mil mulheres para um dia de palestras, conteúdo e networking exclusivamente dedicado ao empreendedorismo feminino. Também marcamos presença no Startup Summit, evento de tecnologia e inovação, em que o Sebrae Delas teve um lounge exclusivo para fomentar e discutir a participação feminina no segmento. Ainda este ano, também vamos realizar a primeira missão internacional com um grupo formado só por empresárias participantes do Sebrae Delas. A missão acontece entre 11 e 19 de novembro para o Web Summit em Lisboa e conta com uma programação exclusiva para mulheres antes do evento. Já estamos planejando o ano de 2024 e vem muitas novidades por aí para continuar atendendo as mulheres empreendedoras e as que querem empreender.

Quais são os passos práticos que as empreendedoras devem seguir para obter orientação e assistência do SEBRAE?

Marina: A grande maioria das soluções oferecidas pelo Sebrae Delas é inteiramente gratuita. As interessadas podem se informar pelo portal, onde é possível acessar todas as soluções disponíveis e assinar a newsletter Delas para Elas para receber mensalmente as oportunidades, lançamentos, eventos e novidades do programa. O Sebrae Delas também produz conteúdo especial sobre empreendedorismo feminino. São e-books, vídeos, posts e artigos diversos sobre o tema. Basta acessar o portal e seguir as redes sociais e o blog do Sebrae. As empreendedoras também podem procurar o Sebrae mais próximo, temos funcionárias embaixadoras do Sebrae Delas nas sedes das regionais de Santa Catarina.

O que as empreendedoras podem fazer para superar o medo do fracasso e persistir em seus empreendimentos?

Marina: A falta de coragem para correr riscos é um fator que atrapalha e desestimula o sucesso de muitas empreendedoras. O medo de falhar é uma preocupação apontada por 17% das mulheres, só 5% dos homens têm essa preocupação. Outros fatores relacionados são a insegurança emocional, as críticas e o pouco apoio familiar. Tudo isso reforça a importância do desenvolvimento das soft skills para alavancar empreendimentos femininos. Acredito que a principal maneira de superar esse medo é investir em capacitação, tanto técnica em gestão e empreendedorismo, quanto socioemocional. Outra dica importante é reforçar seu networking, sua rede de contatos e suas conexões de negócios com outras mulheres. Contar com o apoio e a troca entre empreendedoras gera uma força muito grande que traz benefícios para todos. E claro, pode contar com o Sebrae Delas, que oferece soluções diversas para apoiar a empreendedora em todas as suas demandas!

Compartilhe o conteúdo

Leia também

Futurista Roger Spitz revela estratégias para enfrentar os desafios do futuro empresarial

“Estamos apenas no começo de uma grande história”, diz Sabrina Fernandes, CEO da Bit Energy

Especialista dá dicas para rentabilizar imóveis com aluguel de curta temporada 

Receba notícias no seu e-mail