Siga nas redes sociais

Search

SC registra queda na produção de milho e recorde na criação de suínos

Foto: PublicDomainPictures/Pixabay
Foto: PublicDomainPictures/Pixabay

A estimativa de produção de milho na safra 2023/2024 foi reduzida na edição do Boletim Agropecuário, publicação mensal do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), de janeiro. Por outro lado, o mesmo informativo apresentou o levantamento da produção de suínos em Santa Catarina durante o último ano, que foi recorde. As duas cadeias produtivas estão interligadas, pois a diminuição na oferta de milho tende a elevar os custos de produção das carnes.

A estimativa teve redução por conta da área de cultivo. Conforme o analista de Socioeconomia e Desenvolvimento Rural do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), Haroldo Elias, os dados referentes ao mês de dezembro apontam uma redução de aproximadamente 6,7% na produção estadual total, na comparação com a safra 2022/2023. 

Esse impacto pode ser ainda maior a depender do levantamento que será realizado até o final de janeiro e que terá foco na avaliação da produtividade.

Nas lavouras já colhidas, especialmente no Extremo Oeste, a produtividade ficou bem abaixo das expectativas iniciais, principalmente em virtude dos problemas causados pelo excesso de chuva”, explica.

Em termos de mercado, as perspectivas para o milho este ano são positivas. Espera-se que os preços sigam uma trajetória de elevação em virtude de uma redução da oferta do grão.

No Brasil, essa redução na comparação com a safra passada foi ocasionada por problemas climáticos, como o excesso de chuvas no Sul do país e a estiagem no Centro Oeste, que causou atraso no plantio da soja e, por consequência, do milho segunda safra. Por outro lado, a demanda de milho no Brasil para a produção de carnes e de biocombustíveis tem elevado o consumo do cereal. 

No ano passado, Santa Catarina exportou 658,2 mil toneladas de carne suína (in natura, industrializada e miúdos), alta de 9,3% em relação ao ano anterior. As receitas foram de US$ 1,57 bilhão, crescimento de 9,7% na comparação com as de 2022. Estes são os melhores resultados registrados desde o início da série histórica, em 1997.

Os resultados positivos desse período devem-se ao crescimento dos embarques para a maioria dos principais compradores, em especial as Filipinas, o Chile e o Japão. A China, embora tenha reduzido suas aquisições de carne suína catarinense no ano passado, foi o principal destino do produto, respondendo por 34,6% dos embarques. 

No mesmo ano, foram produzidos e destinados ao abate um total de 17,86 milhões de suínos, crescimento de 2,1% em relação à produção de 2022. Essa é a maior quantidade de suínos já produzida no estado. 

Compartilhe

Redação Economia SC

Tudo sobre economia, negócios, inovação, carreiras e sustentabilidade em Santa Catarina.

Leia também

Receba notícias no seu e-mail