Siga nas redes sociais

Search

Sobre transbordar

Foto: divulgação.

Para transbordar, precisamos de limites. Bordas.

Literalmente, transbordar ocorre quando um recipiente não consegue mais conter seu conteúdo.

Um limite é uma “linha divisória”.

Na geografia, marca o fim de uma propriedade ou jurisdição e o início de outra.

Nas relações interpessoais, um limite separa uma pessoa da outra, permitindo identidades, responsabilidades e privilégios distintos. Limites criam um “espaço” necessário entre indivíduos.

Limites saudáveis definem expectativas e mostram respeito pelos outros.

Mas e se decidíssemos viver sem limites, sem conselhos indesejados, sem regras rígidas e sem rótulos?

Não saberíamos onde um desejo termina e outro começa.

O limite, ou limes, como o caminho entre dois campos, não apenas demarcava o início ou o fim de um território, mas também indicava a forma desse espaço.

As bordas nos definem e nos permitem transbordar com intensidade e propósito.

Mas a pergunta que fica é: por que sempre que você está sobrecarregada, a primeira coisa que abre mão é de si mesma?

Limites são vivos. Limites não são fixos.

Nem todo problema se resolve impondo limites, mas se essa fronteira não existe, esse problema se torna ainda maior.

Compartilhe

Diretora de Marketing da Conecta Suite e embaixadora do The CMOs Marketers

Leia também

Receba notícias no seu e-mail