2022, um novo tempo para o turismo e para SC

Esta é a última coluna do ano e não poderia iniciar sem que fosse com uma mensagem de fé e otimismo para você: que 2022 seja um novo tempo, um novo tempo de aprender, de construir, um novo tempo de crescer. Um novo tempo para o Brasil brilhar. Vamos todos juntos aprender, construir e crescer. Que em 2022 a gente possa transformar nossa esperança num novo tempo para Santa Catarina brilhar. Feliz Ano Novo!

E por falar em novo yempo, este é o tema desta coluna, o qual já começamos a abordar na semana passada: um novo tempo para o turismo do estado, que precisa ser promovido ao centro da pauta do planejamento e ter, definitivamente, uma política turística que esteja à altura do que essa dimensão econômica, que impacta 53 setores da economia, significa para Santa Catarina, onde já chegou a representar 13% do PIB.

Como eu já disse aqui anteriormente, não estou afirmando aqui que Santa Catarina não tem exemplos e modelos para apresentar ao país. Pelo contrário: as ações, realizações e obras feitas desde o início do século, especialmente no Governo LHS/Pavan, ainda se refletem no excelente desempenho apresentado por nossas diversas e diversificadas regiões e cidades turísticas. Mas esse “plano de vida” para o turismo precisa ser urgentemente renovado e projetado para os próximos 30 anos. O estado mais turístico do país não ter uma Secretaria de Turismo é inexplicável sob todos os pontos de vista. 

Na semana que passou, tivemos um bom exemplo do que significa essa falta de prioridade e atenção ao Turismo em SC. Depois de três longos anos, o Governo do Estado finalmente conseguiu colocar em funcionamento um dos maiores e melhores centros de eventos do país, o de Balneário Camboriú. Sim, acreditem, foram três anos perdidos.

Vou contar essa história para vocês terem ideia do que é não dar prioridade ao Turismo. O Centro de Eventos de BC foi concebido ainda quando eu era secretário nacional de Políticas para o Turismo e o então prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, desistiu de R$ 700 milhões para o Anhembi. Pedimos projetos para vários estados e, por inspiração do ex-governador Leonel Pavan e o apoio do prefeito Edson Piriquito, Balneário Camboriú foi a única cidade contemplada. 

Nos meus últimos dias como ministro do turismo do Governo Temer, entregamos a obra física dia 23 de dezembro de 2018, juntamente com todos os empenhos para compra de todos os acessórios como catracas, elevadores, ar condicionado, escadas rolantes e outros itens. Infelizmente, três anos se passaram sem que o Governo do Estado, mesmo com todos os recursos em mãos, conseguisse colocar o centro para funcionar. São coisas que não podem acontecer mais em Santa Catarina. Ficam aqui meus parabéns a Balneário Camboriú e também ao prefeito Fabrício Oliveira, que executou todas obras de contrapartida de forma eficiente e correta. Finalmente, poderão colher os frutos dessa obra.

É preciso acabar com o improviso, com a ausência de políticas públicas e com a insegurança jurídica que afastam os investidores do turismo catarinense. Em São Paulo, nos últimos três anos, o setor e a secretaria que comando, a de turismo e viagens, foram colocados pelo governador João Doria como locomotiva que ajuda a puxar os vagões da economia estadual, e quando São Paulo e o turismo crescem, o Brasil cresce junto. 

Nesses três anos de governo, liberamos mais de R$ 1 bilhão para os municípios paulistas realizarem obras turísticas, projetos e ações, um recurso recorde na história do turismo paulista. Mais do que recursos, estruturamos e promovemos, via plataformas de mídia nacionais e internacionais, a indústria turística do estado, com inúmeros programas, que vão desde Rotas Gastronômicas a Rotas Cênicas, de Distritos Turísticos a programas de Crédito Orientado, em parceria com o Sebrae, para capacitar empresários e agentes públicos na obtenção de crédito orientado para a retomada dos negócios. 

Entre os melhores resultados, está a retomada do emprego: enquanto São Paulo ultrapassou 1 milhão de postos de trabalho com carteira assinada, só o turismo e viagens chegou a 65 mil empregos diretos, sem contar todos os setores indiretos impactados pela indústria turística. Para resumir esse cenário altamente positivo, basta dizer que o PIB do turismo cresceu 9,1% em São Paulo em 2021, atingindo R$ 224 bilhões, o que significa 88% do registrado em 2019, antes da pandemia.  

Esses resultados, a determinação e o trabalho desenvolvido é que me levam a renovar a mensagem de final de ano a você: vamos todos juntos aprender, construir e crescer. Que em 2022 a gente possa transformar nossa esperança num novo tempo para Santa Catarina brilhar. Feliz Ano Novo!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais