Como a tecnologia apoia a gestão da saúde pública e torna o atendimento mais humanizado

Por Felipe Clemente, CEO da Pixeon.

Nos últimos anos, o debate sobre o uso de tecnologias na área da saúde passou por transformações importantes, que mostram como o setor tornou-se mais aberto às novidades tecnológicas. Um dos principais exemplos é a telessaúde: em dezembro de 2022, foi aprovado o texto base do projeto de lei que autoriza a sua prática no Brasil, após anos de discussão sobre o tema. Outro dado que confirma a aproximação entre saúde e tecnologia diz respeito às healthtechs. Segundo um estudo da Liga Ventures com a PWC, o número de healthtechs no Brasil aumentou 16,1% entre 2019 e 2022. Mas o que isso tudo significa para o sistema público de saúde, o acesso ao atendimento médico por parte de brasileiros que moram longe dos grandes centros urbanos e a capacidade de atendimento pós-Covid19?

O trabalho de gestão da saúde pública no Brasil é referência internacional graças a princípios como a universalidade e a alta capilaridade do SUS. Porém, considerando, também, que vivemos em um país de dimensões continentais, muitos desafios de gestão ainda são enfrentados. Falta de leitos, verbas escassas e longas filas de espera são alguns desafios da gestão de saúde pública que ficaram ainda mais evidentes no contexto da pandemia da Covid-19. Outros agravantes, como a triagem ineficaz – que sobrecarrega os serviços de emergência com quadros leves -, e a má distribuição de médicos no território brasileiro contribuem para aumentar as filas de espera nas instituições médicas. Diante desses desafios, a regulamentação da telessaúde, citada no começo do texto, é uma mudança positiva em relação à democratização do acesso à saúde pela população que vive fora dos grandes centros urbanos no Brasil. 

No entanto, agora há também o desafio de lidar com as demandas reprimidas durante o período da pandemia e o aumento das filas exige um aprimoramento refinado do sistema, que precisa otimizar sua capacidade de atendimento. A ausência de processos digitalizados dificulta bastante o cenário, tendo em vista que os trabalhos manuais exigem um tempo extra de dedicação dos colaboradores. Isso gera atrasos e falhas operacionais que poderiam ser evitadas com o uso de sistemas inteligentes para agendamentos, por exemplo.

Além de otimizarem processos internos, o suporte tecnológico proporciona maior segurança de dados e os softwares especializados contribuem também para a qualidade da assistência prestada aos pacientes, proporcionando atendimentos mais personalizados. Isso porque, ao viabilizarem a organização e estruturação dos fluxos de trabalho nas instituições de saúde, as ferramentas inteligentes promovem uma rotina corporativa mais ágil e eficaz. Os colaboradores ficam livres do risco de falhas operacionais e da sobrecarga de trabalhos que antes eram manuais e repetitivos.

A automatização de tarefas culmina, portanto, no olhar mais humanizado para os pacientes. Afinal, como as equipes terão mais tempo livre, poderão redirecionar seus esforços para a personalização dos atendimentos. Isso resulta em uma assistência mais acolhedora e empática, o que é essencial para favorecer a experiência do paciente na instituição de saúde e garantir o engajamento nos tratamentos indicados. Em linhas gerais, podemos dizer que a assistência tecnológica faz a parte mais operacional dos processos hospitalares para que os colaboradores possam priorizar o fator humano na assistência prestada diretamente aos pacientes. Nesse processo, todos os envolvidos saem ganhando – desde o gestor, passando pelos colaboradores e culminando no bem-estar dos pacientes em larga escala.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais