Siga nas redes sociais

Search

As taxas de juros da América provavelmente não cairão este ano

Foto: Ray_Shrewsberry/Pixabay

Por Felipe Bernardi Capistrano Diniz.

As taxas de juros do EUA, mais altas por mais tempo, vão pressionar os mercados financeiros e a economia mundial.

Durante a maior parte do ano, desde os analistas de ações até os compradores de imóveis e empresas que tomam empréstimos bancários, confiaram que o Federal Reserve cortaria as taxas de juros em breve. Essas esperanças foram frustradas. A inflação anual ao consumidor em março, em 3,5%, foi mais alta do que o esperado pelo terceiro mês consecutivo; as vendas no varejo cresceram robustamente em 0,7% em relação ao mês anterior. Em 16 de abril, Jerome Powell, presidente do Fed, alertou que a luta contra a inflação está levando “mais tempo do que o esperado”. Os investidores haviam começado a precificar mais de 1,5% de cortes nas taxas de juros ao longo do ano de 2024. Os cortes nas taxas agora estão em dúvida.

Muitas empresas emitiram dívidas corporativas durante a pandemia, quando as taxas eram muito mais baixas. Isso as ajudou a lidar com taxas altas até agora; mas eventualmente elas terão que refinanciar e pagar mais caro. As taxas de juros hipotecários de quase 7% congelaram grande parte do mercado imobiliário. A alta e rápida expansão da dívida do governo dos EUA também está se tornando muito mais cara de ser gerenciada: o rendimento dos títulos do Tesouro de dez anos subiu para cerca de 4,6% em relação a 4,2% no final de março. As previsões indicam que os gastos com juros líquidos do governo dos EUA absorverão uma parte maior do orçamento federal deste ano do que os gastos com defesa.

Os problemas que as altas taxas expuseram no sistema bancário americano em 2023 ainda estão presentes. No último levantamento, havia US$ 478 bilhões de perdas não realizadas nos balanços dos bancos, resultantes das taxas mais altas reduzindo o valor dos títulos do governo e lastreados por hipotecas.

As consequências das taxas mais altas nos Estados Unidos também terão repercussões no resto do mundo. Nenhuma grande economia está tão aquecida quanto a dos EUA. O resultado é um fortalecimento do dólar, que subiu cerca de 5% em relação aos seus maiores parceiros comerciais este ano.

Um dólar em alta também pode interromper o comércio e o endividamento denominado em dólares. Economias que dependem de importações de commodities, como o Japão, enfrentam um duplo aperto devido a um dólar mais forte e um preço do petróleo em dólares em ascensão, que subiu cerca de 20% desde o início de dezembro.

Compartilhe

Investidor com extenso track record na indústria de investimentos alternativos e operações estruturadas. Venture Partner da FIR Capital.

Leia também

Receba notícias no seu e-mail