Construção de edifícios residenciais crescem e estimulam setor

De acordo com a pesquisa Pulso Empresa, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a construção é apontada como o setor de maior incidência de efeitos negativos vindos da pandemia este ano, com quase metade dos respondentes assinalando uma piora nos seus negócios.

Após o trimestre de resultados negativos no saldo de empregos, entre março e maio, o setor em Santa Catarina abriu 1,6 mil novas vagas nos últimos dois meses e acumula 2,3 mil trabalhadores a mais no ano.

Em relação às obras, o total de metros quadrados construídos este ano ainda é inferior ao dos oito primeiros meses do ano passado, em 3,1%.

O mesmo acontece com o total de obras, que é 10,5% inferior ao do mesmo período do ano anterior.

Essa redução, contudo, deve-se especialmente às reduções na construção de edifícios comerciais (-12,8%) e industriais (-29,6%).

Em ambos os casos, o total de área construída estava em aquecimento nos dois últimos anos, o que indicava o retorno dos investimentos e a perspectiva de crescimento da economia brasileira. 

Durante o ano, o aumento das incertezas, o risco atrelado às condições sanitárias e, principalmente, a redução da capacidade de investimentos das empresas reduziram o número de obras e de construção para fins de empreendimentos.

Por outro lado, as atividades ligadas à construção de edifícios residenciais apresentam outro panorama.

Com crescimento de 8,7% na área construída no ano, em comparação com o mesmo período do ano anterior, as construções residenciais se destacam pelo ritmo de crescimento, alcançando o melhor desempenho para um mês de agosto desde 2012.

Além do crescimento de área construída, o número total de obras também acompanhou o ritmo de crescimento nos últimos meses, alcançando valores próximos ao de agosto de 2014, com 2,7 mil obras residenciais.

As cidades de Joinville, Itapema e Balneário Camboriú concentram a maioria destas construções.

A cidade de maior população do estado não apenas se destaca com o maior volume de área construída, detendo 12% do total do estado, como também pelo crescimento no ano, uma vez que deteve menos de 9% da área construída no ano passado.

De acordo com o economista Henrique Reichert, da Caravela Soluções,este ano têm sido marcado por uma movimentação das pessoas em busca de conforto no lar:

“O baixo desempenho econômico dos últimos anos criou uma demanda imobiliária reprimida que deve ser explorada nos próximos anos. O setor da construção tem percebido essas tendências e conduzido seus investimentos nessa direção”.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais