Pesquisa aponta abismo entre P&D e inovação no Brasil 

A Beta-i Brasil, empresa de inovação colaborativa com atuação em 25 países, acaba de concluir a pesquisa Collab Trends Deep Tech, que explorou como as áreas de inovação aberta e P&D de grandes corporações atuantes no território nacional se relacionam aos desafios Deep Tech. A amostragem contou com a participação de grandes empresas.

Deep Techs são empresas de base científica, com foco em etapas intermediárias da cadeia produtiva, com potencial para se tornar uma necessidade básica difundida e fácil de implementar no futuro, podendo incluir inteligência artificial, robótica, blockchain, ciência de materiais avançada, fotônica e eletrônica, biotecnologia e computação quântica. 

Nesta análise aprofundada, vários segmentos foram contemplados como agronegócio, alimentos e bebidas, bens de capital, beleza e cosméticos, biotecnologia, construção e imóveis, mineração e siderurgia, química, papel e celulose, saneamento, saúde, serviços financeiros, tecnologia e outras instituições.

Nos últimos 40 anos, o Brasil passou por uma forte desindustrialização, que fez com que a participação da indústria saísse de 27,5% do PIB em 1985 para 18% no ano passado. Ainda assim, 69% de tudo que é investido em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) no Brasil, vem da indústria. No período de 2016 e 2019, o aporte em inovação de processos e produtos cresceu 33,4% – de R$12,7 bilhões para R$16,9 bilhões. 

A pesquisa inédita realizada pela primeira vez no Brasil, traz vários dados relevantes, entre eles que a área de Inovação Aberta possui menos autonomia que P&D e, geralmente, não possui orçamento próprio. Houve uma tendência dos gestores entrevistados em entender a atuação da área de Inovação relacionada a novos negócios, por ter uma visão externa à organização do que está acontecendo no mercado. 

Ao mesmo tempo, o P&D fica próximo à matriz e em centros que fomentam e investem em iniciativas tecnológicas. Logo, empresas multinacionais com presença no Brasil, esbarram no fato dessas áreas serem sediadas nas suas matrizes estrangeiras ou em pólos tecnológicos consolidados.

Outra conclusão constatada é que a área de Inovação ainda precisa provar constantemente seus resultados e seu valor para justificar sua existência e seu investimento para a organização. Dessa forma, um dos principais desafios identificados é a busca por alternativas de mensuração para tangibilizar seus resultados à corporação, mesmo que esses resultados sejam indiretos. Por outro lado, a colaboração entre players de um mesmo setor contribui com a aceleração da inovação e expande as fronteiras para novas possibilidades que, por vezes, podem não estar no “radar” da empresa como uma oportunidade potencial a ser explorada.  

Com o objetivo de sanar alguns desses desafios, a parceria com especialistas externos é uma alternativa que a grande maioria dos entrevistados afirmaram recorrer atualmente. Principalmente no que tange a projetos relacionados a Deep Tech. Por outro lado, foi possível constatar que as empresas que querem desenvolver projetos dessa complexidade enfrentam dificuldades de encontrar startups brasileiras com maturidade suficiente, dessa forma, recorrem a empresas estrangeiras. 

“Grande parte das empresas entrevistadas possui uma equipe de P&D altamente qualificada que embora procure opções externas para efetivar potenciais colaborações, muitas das vezes não possui os meios adequados para chegar a tal caminho, sejam eles startups ou centros de inovação. É aqui que a conexão entre as áreas de P&D e de Inovação aberta se torna fundamental”, explicou Olinda Canhoto, Doutora em Biotecnologia e Gestora de Projetos com expertise em Deep Tech na Beta-i Brasil 

Um dos grandes diferenciais competitivos da Beta-i Brasil é fazer a conexão de empresas brasileiras com startups globais.

“P&D é inovação! É importante traçar uma estratégia que pense numa esteira de inovação e P&D de curto, médio e longo prazo que interaja com o ecossistema de startups e Deep Techs de forma a acelerar a inovação dentro da empresa”, afirmou Renata Ramalhosa, CEO da Beta-i Brasil.

Leia outras colunas da Beatriz Bevilaqua clicando aqui.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais