Siga nas redes sociais

Search

E se a nutrição de cada pessoa fosse personalizada?

Foto: Shutterstock

Por Felipe Bernardi Capistrano Diniz.

Que o alimento seja teu remédio e o remédio seja teu alimento.” O dito de Hipócrates, que definiu os princípios da medicina na Grécia Antiga, paira em caracteres holográficos brilhantes sobre o palco principal do Fórum Econômico Mundial em Davos. O tema central deste ano é como tornar a nutrição personalizada mais amplamente disponível para aqueles que não podem arcar com seus benefícios. Os tópicos em alta incluem se os implantes e outros rastreadores de nutrição pessoal devem ser gratuitos para todos (como já são em alguns países nórdicos), por que a nutrição personalizada é boa para os negócios e o debate constante sobre como os governos podem regulamentar da melhor forma o uso de dados pessoais dos consumidores pelas empresas.

Em meio aos argumentos, há um amplo consenso de que o aumento da nutrição personalizada fez muito para promover uma alimentação saudável e ecologicamente correta ao longo da última década. Em 2021, a proporção de americanos obesos caiu pela primeira vez em mais de 20 anos, e a taxa de diabetes diminuiu por três anos consecutivos, saindo do seu pico histórico de 22%. Os europeus também estão ficando mais magros e saudáveis.

No entanto, o progresso tem sido mais lento do que o esperado, e nos mercados emergentes, a obesidade ainda está em ascensão, prejudicando o crescimento econômico. A alimentação ecologicamente sustentável, embora cada vez mais popular no mundo rico, ainda não está no caminho certo para atingir a meta da “dieta de saúde planetária” estabelecida por cientistas em 2019 no Lancet, uma revista médica. Essa meta, à qual grandes fabricantes de alimentos e muitas outras empresas se comprometeram a apoiar, previa uma redução de 50% no consumo mundial de carne vermelha e açúcar e um aumento para o dobro no consumo de nozes, frutas, vegetais e leguminosas entre 2020 e 2050.

Que a nutrição personalizada é a melhor maneira de estimular a demanda por alimentos mais saudáveis e ecológicos ficou claro na década de 2020. Uma década antes, os cientistas haviam começado a desvendar por que diretrizes alimentares únicas na forma de pirâmides alimentares, rótulos de açúcar e gordura, e assim por diante, não estavam revertendo a maré de diabetes, obesidade e outras doenças causadas por dietas ruins. Regimes da moda com nomes cativantes como Keto ou Paleo funcionavam para algumas pessoas, mas eram inúteis para muitas, se não a maioria, das pessoas que os experimentavam. E as pessoas que perdiam peso frequentemente achavam difícil mantê-lo.

As dietas que surgiram e desapareceram até a década de 2020 exigiam uma força de vontade firme e um planejamento cuidadoso. No entanto, o maior problema era o fracasso em reconhecer que os corpos das pessoas reagem de maneira diferente aos mesmos alimentos. No final da década de 2010, evidências científicas crescentes mostraram que refeições perfeitamente saudáveis para uma pessoa poderiam ser o caminho rápido para diabetes, obesidade ou doenças cardíacas de outra pessoa.

Descobriu-se que até a mesma refeição consumida pela mesma pessoa em diferentes momentos do dia poderia ser metabolizada de maneira mais ou menos saudável, dependendo de seus outros padrões de alimentação, sono e exercícios. A descoberta mais crucial foi o papel do microbioma, a colônia de 100 trilhões de micro-organismos que vivem no intestino humano. O microbioma, descobriu-se, era a fábrica que convertia alimentos nas diversas substâncias de que o corpo precisa para funcionar – assim como nas que causam problemas de saúde. E o microbioma de cada pessoa é único.

Um marco na ideia de nutrição personalizada foi um estudo publicado em 2015 por pesquisadores do Instituto Weizmann em Israel. Eles desenvolveram um algoritmo baseado em inteligência artificial que podia prever com precisão a resposta de um indivíduo a qualquer alimento, medida pela monitorização contínua da glicose no sangue com um pequeno dispositivo fixado no braço. Picos de glicose no sangue após as refeições são marcadores conhecidos de ganho de peso e uma série de distúrbios metabólicos. O algoritmo usou dados sobre o estilo de vida, histórico médico e a composição do microbioma. Em três anos, cientistas nos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha replicaram o trabalho da equipe israelense, e o negócio da nutrição personalizada entrou em uma nova era.

Durante o início dos anos 2020, o número de startups que ofereciam aconselhamento nutricional personalizado por algoritmo disparou. Algumas delas usavam amostras enviadas pelo correio de fluidos corporais ou dispositivos de monitoramento contínuo para acompanhar os níveis sanguíneos de glicose, lipídios, vitaminas e assim por diante. Algumas, incluindo DayTwo, Million Friends e Zoe, também faziam o mapeamento do microbioma (por meio da análise genômica de tudo o que era encontrado em uma amostra de fezes de uma pessoa). Muitas empresas faziam o mínimo necessário: verificando um punhado de genes que haviam sido associados a certas reações a vários alimentos. Isso tinha utilidade limitada. No final dos anos 2020, o mercado havia alcançado a maturidade após uma reestruturação brutal.

Um punhado de empresas prosperou e agora são nomes conhecidos em todos os lares. A EatLogic, a segunda maior delas, concordou no mês passado em ser adquirida pelo Google, sujeita à aprovação regulatória. Os líderes têm essencialmente o mesmo modelo de negócios. Seus aplicativos e algoritmos identificam o que as pessoas devem comer e evitar, e mantêm um registro do que está em suas despensas, geladeiras e carrinhos de compras online. Receitas geradas por IA utilizam combinações de sabores preferidas por chefs renomados. Os aplicativos também analisam os menus de restaurantes e recomendam quais pratos pedir – às vezes com pequenas modificações, como trocar um vegetal ou mudar o molho de salada. Tudo isso ajuda as pessoas a fazerem escolhas alimentares saudáveis. A precisão tem melhorado constantemente à medida que os implantes e dispositivos vestíveis associados a esses serviços se tornaram menores, mais baratos e mais capazes.

Fabricantes de eletrodomésticos de cozinha, como Philips e Samsung, têm desempenhado um papel central no ecossistema de nutrição personalizada desde o início dos anos 2020. Em Davos, seus CEOs discutiram os desafios – e oportunidades para a saúde pública – de desenvolver modelos mais baratos para mercados emergentes, onde o número de famílias de classe média está crescendo rapidamente. (A obesidade também é mais comum nesse segmento demográfico.) Os líderes da indústria calculam que em países como Índia e Quênia, cerca de 20% das famílias podem comprar uma geladeira inteligente, embora com muito menos recursos do que os modelos que agora são padrão nos Estados Unidos. Em comparação, mais da metade das famílias americanas tem uma geladeira inteligente ligada a uma conta de nutrição personalizada.

A indústria de alimentos também se adaptou muito rapidamente à revolução da nutrição personalizada, considerando o quão devagar ela se moveu para reduzir o sal e o açúcar em alimentos processados. Sua transformação é evidente nas prateleiras dos supermercados, onde os alimentos processados estão disponíveis em múltiplas variantes, ajustadas para cada um dos principais metabotipos identificados pelos cientistas. (Algumas variantes são, por exemplo, mais ricas em gordura e fibras, mas mais baixas em proteína.)

A carne artificial e o peixe cultivados a partir de células-tronco de animais também vêm em variedades de metabotipo que incluem diferentes proporções de gordura, proteína, minerais e vitaminas encontrados em produtos de origem animal “real”. Os cardápios de restaurantes também estão cada vez mais direcionados aos metabotipos mais prevalentes entre seus clientes.

Um dos tópicos mais controversos discutidos em Davos foi como tornar a nutrição personalizada mais acessível. Os serviços de primeira geração, oferecidos no início dos anos 2020, começaram com preços de centenas de dólares para testes iniciais, e pesadas taxas mensais posteriormente. Os planos mais básicos de hoje são cerca de 80% mais baratos, após o ajuste pela inflação. Usuários que permitem que os provedores vendam seus dados pessoais recebem descontos substanciais, embora alguns reguladores estejam buscando limitar essa prática. Empregadores, seguradoras de saúde e governos estão cada vez mais subsidiando planos de nutrição personalizada e oferecendo vales e outros benefícios aos usuários obedientes.

Mas o custo não é o único obstáculo para uma maior adoção. Na Inglaterra, o Serviço Nacional de Saúde oferece um plano gratuito para todos, juntamente com dispositivos pessoais subsidiados que podem ser associados a ele. Isso ajuda a explicar por que cerca de 70% dos adultos na Inglaterra agora usam um serviço de nutrição personalizada, a taxa mais alta do mundo. Convencer os 30% restantes, que inclui muitos daqueles que mais se beneficiariam ao mudar suas dietas, exigirá muito mais do que aparelhos gratuitos. Muitos têm uma visão negativa da ideia como resultado de teorias da conspiração que os médicos estão lutando para desmistificar.

No debate final no palco principal em Davos, a maioria dos palestrantes estava otimista quanto ao potencial futuro da tecnologia, enquanto outros se preocupavam com a dificuldade de expandir a adoção dentro desses grupos mais “hesitantes”. A discussão terminou em um tom agridoce. A nutrição personalizada, parece, não é do agrado de todos.

Compartilhe

Investidor com extenso track record na indústria de investimentos alternativos e operações estruturadas. Venture Partner da FIR Capital.

Leia também

Receba notícias no seu e-mail