Casos de coronavírus afetam a economia da sua cidade?

O impacto que a pandemia traz sobre a economia decorre basicamente de dois fatores.

O primeiro é a redução da movimentação de pessoas e da capacidade de operação, resultado das medidas de prevenção e do isolamento social.

Já o segundo fator é o menor grau de confiança das pessoas em relação ao futuro, o que as faz poupar e diminuir gastos. 

Pesquisas que avaliam a percepção do consumidor frente ao cenário atual mostram que 2020 já tem o maior nível de incerteza da série histórica brasileira.

O valor total das poupanças bancárias também atingiram recordes em abril e maio deste ano, indicando comportamento de conservadorismo nas finanças pessoais. 

Uma dúvida que surge a partir deste panorama é se a insegurança advinda da propagação da doença é capaz de afetar os números da economia.

Para analisar essa possibilidade, verificamos os números de casos de coronavírus por mil habitantes e o desempenho econômico de todas as cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

As estatísticas mostram que há uma correlação negativa entre os casos de coronavírus e os indicadores econômicos da cidade, tal como a arrecadação de ICMS e o saldo de empregos formais.

Isso significa que o aumento do número de infecções pelo vírus desestimulam o consumo e dificultam a manutenção dos empregos.

Porém, ainda que a relação exista, o seu grau de impacto é pouco relevante para definir o desempenho da economia local. 

A baixa relação ocorre devido a casos como o de Nova Araçá e Entre Rios, no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, respectivamente, que possuem elevadas taxas de confirmados por habitante, mas mantêm sua economia operante, principalmente pelas atividades vinculadas à agropecuária. 

O contrário também ocorre. Em Erval Seco, no noroeste gaúcho, foram registrados apenas 6 casos de coronavírus, mas a arrecadação da cidade já caiu em cerca de 60%, havendo demissões no setor de transporte e de construção. 

Assim, de acordo com o economista Henrique Reichert, da Caravela Soluções, “o fator mais determinante para o impacto econômico da pandemia é a estrutura econômica da cidade. Cada região tem suas peculiaridades e as características dos setores locais mais fortes determinarão o nível de rendimento da cidade”.

A classificação de risco econômico dos municípios na pandemia, feito pela Caravela Soluções e que tem como fundamento a participação de atividades industriais, comerciais e turísticas, mostra que o desempenho médio das cidades catarinenses de alto risco está em -26% no ano, enquanto que a variação dos municípios de baixo risco registram queda de apenas 1%.

No Rio Grande do Sul, o grupo de baixo risco ainda apresenta crescimento no semestre. 

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais