FACISC pede suspensão da prorrogação do Bloco-X

A Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (FACISC) enviou ofício na quarta, 10 de março, ao secretário de estado da fazenda, Paulo Eli, solicitando a postergação ou suspensão da obrigação acessória imposta às empresas abrangidas pelo Bloco-X.

Prorrogada para o dia 1 de abril, a obrigação impõe aos estabelecimentos comerciais de Santa Catarina que, diariamente, prestem informações sobre compra e venda de mercadorias, e mensalmente sobre seus respectivos estoques, para acompanhamento e fiscalização das transações de venda ao consumidor final.

Porém tal atividade implica que os estabelecimentos comerciais, especialmente micro e pequenas empresas, tenham que despender recursos altos, para a reestruturação física, de pessoal, e a capacitação ao cumprimento da exigência, para atenderem aos procedimentos complexos e burocráticos, e gerarem às informações da forma automatizada, requerida pelo estado.

“Entendemos que este não é o melhor momento para cobrar ações que gerem despesas às empresas, principalmente aos pequenos negócios que passam por situação de crise econômica. Sobretudo, porque o descumprimento poderá levar à autuação, possível bloqueio do sistema, e o impedimento de que novas operações de vendas ocorram, o que certamente comprometeria o fluxo de caixa das empresas, e mais prejuízos”, argumenta o presidente da Facisc, Sérgio Rodrigues Alves.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais