LGPD: ferramentas seguras de gestão e comunicação são essenciais para adequação do setor de franquias

Volta e meia, a segurança de informações estratégicas e de clientes de empresas volta a ser debatida na internet. No final do ano passado, a discussão envolveu um episódio de acesso irregular em um aplicativo de entregas do setor de alimentos, incidente que foi amplamente repercutido nas redes sociais.

A companhia envolvida no caso tranquilizou usuários e franquias parceiras, garantindo que não se tratava de uma invasão, e sim de uma ação não autorizada realizada por um funcionário da própria prestadora de serviço.

Mesmo assim, a situação mostra que no setor de franchising, ainda falta treinamento e maturidade em relação à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), um tema que não pode ser ignorado.

É muito comum que franquias utilizem aplicativos de mensagens populares para tratar de negócios: a comunicação interna com franqueados e colaboradores, por exemplo, ainda é realizada, em muitos casos, por meio de soluções que não têm caráter corporativo, como email, aplicativos de mensagens e extensões de compartilhamento em nuvem.

Mesmo que a companhia disponibilize plataformas ou versões com característica empresarial, não é garantido que todas estejam de acordo com a lei.

Informações sensíveis, tanto da franquia como dos funcionários, devem ser coletadas, armazenadas e descartadas obedecendo às instruções de segurança da nova lei; e muitas das ferramentas e redes sociais não oferecem o controle adequado dessas informações, podendo inclusive atrapalhar no caso de investigações.

Áreas como marketing, RH e comercial possuem extensos arquivos com dados pessoais de clientes e colaboradores. No caso de um incidente de vazamento de dados, autoridades teriam dificuldades em realizar uma investigação dentro de plataformas de uso popular.

Alguns aplicativos para troca de mensagens e documentos já possuem extensões para garantir algum controle de acesso; mas, mesmo assim, as franquias ainda precisam contar com termos de consentimento do uso das ferramentas pessoais quando o colaborador as utiliza como ferramentas de trabalho.

Além da exposição de nomes, contatos e imagens pessoais, o uso de soluções cotidianas pode incluir outros riscos, como vazamentos de documentos oficiais de setores financeiros ou estratégicos da rede.

Para evitar todos esses transtornos, redes de franquias devem passar a utilizar plataformas específicas, dedicadas e seguras; que centralizem e organizem a comunicação entre franqueados e franqueadores e estejam de acordo com a LGPD.

É importante lembrar: o primeiro ciclo de monitoramento da nova lei por parte da ANDP (Agência Nacional de Proteção de Dados) começou no mês passado, em janeiro, e assim, é importante que organizações de todos os setores façam o máximo para se adequar.

Eventuais multas aplicadas têm valor mínimo de 2% do faturamento da empresa, limitado ao total de R$ 50 milhões, mas organizações que tomam todas as precauções em relação à LGPD e possuem evidências de tais ações têm pouca chance de serem responsabilizadas em casos de invasão ou vazamento por terceiros.

Além disso, empresas que seguem os protocolos de segurança e treinam parceiros ganham autoridade e se destacam entre as demais. Hoje, a adequação à LGPD já é um diferencial de mercado; e quem não se adequar a ela provavelmente ficará para trás.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais